Tratamento Ametropia


O que é ametropia?
A ametropia é um erro refrativo provocado pela relação incorreta entre diversos elementos do globo ocular. O olho passa a apresentar erros na capacidade de refratar a luz e focar os raios luminosos na retina, acarretando perda da nitidez da imagem.

Visão Normal - Emetropia
É o estado normal do poder de refração do olho. Um olho emétrope forma as imagens de maneira muito precisa na retina, ou seja, o ponto focal se encontra exatamente sobre a retina. O resultado é uma imagem nítida e visão normal.

Defeitos da Visão
A ametropia é a perda da nitidez da imagem na retina. Engloba a miopia, hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia. As ametropias são corrigidas com o uso de óculos, adaptação de lentes de contato ou cirurgia refrativa.

Miopia
É um dos o erros de refração mais comum que afeta a visão. A pessoa vê objetos próximos com clareza, porém objetos que se encontram mais distantes são vistos borrados. Na miopia, a imagem não é focada diretamente na retina, mas à frente da mesma.



Causas
O problema pode ter origem no globo ocular, sendo este mais alongado, ou no cristalino, que pode apresentar uma distância focal curta. Em alguns casos, é devido a uma combinação destes fatores.
Miopia normalmente começa na infância e você pode ter um risco mais elevado, se seus pais são míopes. Na maioria dos casos, a miopia estabiliza no início da idade adulta, mas às vezes ele continua a progredir com a idade.

Sintomas
Visão embaçada a distância;
Frequentemente aperta os olhos para ver melhor à distância;
Dores de cabeça, lacrimejamento ou tensão ocular.
Tratamentos
Pode ser corrigida com o uso de óculos, lentes de contato ou com cirurgia refrativa.
Cirurgia
A Cirurgia Refrativa promove a correção da miopia. Através de um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação. Remodela suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos.

Hipermetropia
É um erro de refração que faz com que a imagem seja projetada atrás da retina. Com isto, o indivíduo tem dificuldade de enxergar objetos que estão próximos, atrapalhando principalmente o hábito da leitura.



Causas
Ocorre quando o globo ocular é curto para a focagem combinada da córnea e do cristalino. Quando a imagem é formada atrás da retina, surge visão turva que piora quando se olha para objetos próximos.

Sintomas
Visão embaçada de perto;
Dores de cabeça ou cansaço ocular;
Sensação de peso ao redor dos olhos, ardor, vermelhidão conjuntival;
Lacrimejamento ocular.
Tratamentos
Pode ser corrigida com o uso de óculos, lentes de contato ou com cirurgia refrativa.



Cirurgia
A Cirurgia Refrativa promove a correção da hipermetropia. Através de um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação. Remodela suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos.

Astigmatismo
É uma doença ocular que se caracteriza pela formação da imagem em vários focos, em eixos diferenciados, devido a irregularidades da córnea. O seu principal efeito é a distorção de imagem, pois os raios de luz não chegam ao mesmo ponto na retina.
Para as pessoas com este problema, todos os objetos – tanto próximos como distantes – ficam distorcidos.



Causas
O astigmatismo é causado pelas irregularidades da córnea ou do cristalino. Ele é hereditário e pode ocorrer em conjunto com a miopia ou a hipermetropia.

Sintomas
Vista cansada;
Apertar os olhos para enxergar;
Visão turva ou distorcida em todas as distâncias;
Dificuldade de dirigir à noite;
Dores de cabeça;
Ardor e vermelhidão conjuntival.
Tratamentos
Pode ser corrigida com o uso de óculos, às vezes com lentes de contato ou com cirurgia refrativa.



Cirurgia
A Cirurgia Refrativa promove a correção do astigmatismo. Através de um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação. Remodela suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos.

Presbiopia
É um distúrbio da visão ligado à idade, com o qual o indivíduo não percebe mais com nitidez os objetos próximos.
A presbiopia é um processo natural, cujo resultado é a perda gradual da capacidade de acomodação do cristalino. Com o avançar dos anos o cristalino vai endurecendo e sua forma modifica-se com menos facilidade. As alterações causadas pela presbiopia costumam se manifestar por volta dos 40 anos.



Causas
A presbiopia é causada por um processo relacionado com a idade. Difere-se do astigmatismo , miopia e a hipermetropia , que estão relacionadas com a forma do globo ocular. A presbiopia é resultado de um espessamento gradual e perda de flexibilidade da lente natural do olho. Com menos elasticidade, o olho apresenta dificuldade em focar de perto. Como resultado, a visão de perto acaba sendo prejudicada.

Fatores de risco
Idade: até os 50 anos, todas as pessoas apresentarão algum grau de presbiopia, já que é um processo natural do envelhecimento;
Condições de saúde: quadros como anemia, diabetes, esclerose múltipla e doenças cardiovasculares podem aumentar o risco da presbiopia precoce;
Medicamentos: antidepressivos, anti-histamínicos e diuréticos também podem aumentar chances de presbiopia precoce.

Sintomas
Imagem borrada ao ler algo na distância normal;
Dificuldade em enxergar letras e imagens muito pequenas;
Precisar de mais luz ao executar atividades que envolvem a visão de perto;
Dores de cabeça ou fadiga após tarefas que envolvem a visão de perto;
Ardor e vermelhidão conjuntival;
Necessidade de afastar algo que se está lendo.

Tratamentos
A maioria das pessoas com presbiopia pode corrigir sua visão com óculos multifocais, lentes de contato ou com cirurgia refrativa.

Cirurgia
A Cirurgia Refrativa promove a correção da presbiopia. Através de um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação. Remodela suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos.

Tratamento Catarata


A catarata é uma opacificação do cristalino, lente normalmente transparente do olho, que leva a dificuldade em enxergar, podendo afetar um ou os dois olhos.



Sintomas
Os sintomas dessa patologia podem incluir cores desbotadas, visão embaçada, halos, sensibilidade à luz e dificuldade para enxergar à noite. A visão nublada causada pela catarata pode dificultar a condução de um carro (especialmente à noite), a leitura, caminhadas (quedas frequentes) ou para ver a expressão no rosto de uma pessoa.

Possíveis causas da catarata


A maioria dos casos de catarata desenvolve-se lentamente com o passar dos anos, não incomodando a visão no início. Geralmente é detectada em indivíduos com mais de 50 anos, mas há casos de crianças que já nascem com a doença por problemas genéticos e hereditários ou ainda causada por infecção ou inflamação que tenha comprometido a mãe e o feto.

Outros fatores que podem aumentar o risco de se desenvolver a catarata, incluem: a diabetes, trauma, cirurgia ocular no passado, exposição excessiva à luz do dia ou uso prolongado de medicamentos compostos por esteroides.

Diagnóstico
Para determinar se você tem uma catarata, o seu oftalmologista irá rever o seu histórico médico, os sintomas e realizar vários testes e exames.

Tratamento da catarata
A cirurgia deve ser considerada quando a catarata causar diminuição visual que afete as atividades cotidianas. Detectada a catarata, o único tratamento é o cirúrgico.

A cirurgia pode ser realizada a partir de duas técnicas, a facoemulsificação ou através do laser de femtosegundo, ficando a critério do médico e do paciente escolher a que mais atende suas necessidades.

Durante a cirurgia, que habitualmente é realizada sob anestesia local, a catarata é retirada e substituída por um implante, a lente intraocular.

O grau da lente a ser implantada é calculado utilizando-se medidas que incluem o tamanho do olho. Estas lentes podem compensar a retirada do cristalino, corrigindo a visão à distância, diminuindo a dependência em relação aos óculos.

A correção do grau não se limita mais à patologias como hipermetropia ou miopia. Lentes de alta tecnologia (lentes premium), permitem corrigir astigmatismo através das lentes tóricas, e a presbiopia, através das lentes multifocais.

Pós-operatório
Após a cirurgia da catarata, o paciente pode retornar quase que imediatamente às suas atividades, exceto às mais cansativas. Colírios serão receitados conforme orientação do oftalmologista. Outras consultas serão necessárias para avaliação do resultado obtido.

Tratamento da Córnea com Ceratocone


O Ceratocone é uma condição em que ocorre um afinamento progressivo da córnea acompanhado de aumento da sua curvatura. A área central da córnea fica mais fina e a pressão interna do olho, atuando sobre esta área de menor resistência, faz com que ela fique excessivamente curva, adquirindo a forma de cone.



O ceratocone geralmente surge na adolescência, podendo manter-se estável ou progredir, sendo capaz de comprometer severamente a visão, mas raramente leva a cegueira.

Quais as causas do ceratocone?
Apesar de desconhecidas, algumas hipóteses são consideradas. Uma delas propõe que o ceratocone surge em decorrência de fatores genéticos.

Dentre outras possibilidades consideradas, o ceratocone pode ser uma condição degenerativa, ou uma condição secundária a outras doenças, como a síndrome de Down e alergias. Alguns estudos apontam que a exposição à radiação ultravioleta poderia estar ligada ao aparecimento do ceratocone.

Como é feito o diagnóstico?
O oftalmologista faz o diagnóstico do ceratocone pelo histórico do paciente e exames complementares da córnea. Para o paciente, a primeira indicação da doença é a piora da visão, a qual pode apresentar-se borrada, com as imagens distorcidas.

O portador de ceratocone pode ainda apresentar visão dupla (diplopia), a visão de várias imagens do mesmo objeto, percepção de halos em volta das luzes e sensibilidade exagerada à luz (fotofobia). Frequentemente, também há a queixa de muita coceira nos olhos.

Procedimentos Cirúrgicos
Anel intracorneal: Trata-se de um anel de acrílico implantado na córnea com o objetivo de alterar sua forma, melhorando sua qualidade óptica e a visão obtida com óculos ou lentes de contato.

O procedimento, que pode ser realizado sob anestesia local, é rápido e seguro e pode ser realizado por laser.



Crosslinking: Neste procedimento, a córnea é embebida numa substância chamada riboflavina e a seguir exposta por um determinado tempo a radiação ultravioleta. A riboflavina torna a córnea mais sensível à radiação ultravioleta. O objetivo do crosslinking é impedir a progressão do ceratocone. Os estudos mostram que este resultado é obtido em mais de 90% dos pacientes submetidos a este procedimento.



Transplante de córnea: É realizado nos portadores de ceratocone severo ou avançado, que não toleram lente de contato ou nos quais já não é possível sua adaptação. Este transplante apresenta grande índice de sucesso, sobretudo após o surgimento dos transplantes lamelares guiados pelo laser. Apresenta baixa taxa de rejeição.



Conclusão O Ceratocone é uma doença cujas causas ainda não são totalmente conhecidas. Diversas opções de tratamento estão disponíveis. A avaliação e o acompanhamento oftalmológico são necessários para que o médico possa orientar a conduta e o tratamento adequados, com o objetivo de manter a melhor qualidade de visão para o paciente.

Doenças Endoteliais da Córnea O que é o endotélio corneano? Endotélio corneano é a camada mais interna da córnea. A função normal destas células é bombear água pra fora da córnea. Quando elas deixam de funcionar normalmente, ocorre inchaço da córnea. O inchaço faz com que a córnea perca a sua transparência normal, e o resultado é uma visão turva.



Sintomas de edema na córnea (inchaço na córnea)
Portadores dessa doença podem manifestar, inicialmente, visão turva ao acordar, que vai gradualmente tornando-se mais clara durante o dia. O paciente também pode apresentar dor nos olhos, sensibilidade à luz, halos ao redor da fonte de luz e perda de transparência da córnea.

Quando realizar o transplante endotelial?
Inicialmente, a aplicação de colírios e pomadas pode aliviar os sintomas, e o uso de lentes de contato gelatinosas pode amenizar a dor, porém a única solução permanente para esta doença é o transplante lamelar de córnea (transplante endotelial).

Quais os problemas que podem alterar a função do endotélio corneano?
Basicamente existem três causas de doenças do endotélio.

A primeira delas são disfunções endoteliais congênitas (desde o nascimento).

A segunda seria a distrofia endotelial de Fuchs, de caráter genético, na qual ocorre uma degeneração progressiva das células endoteliais. Esta patologia costuma ser bilateral e acomete mais indivíduos do sexo feminino do que do sexo masculino. Normalmente os primeiros sinais desta doença surgem ao redor dos 30 a 40 anos de idade.

A última das formas de disfunção é a ceratopatia bolhosa, causada por trauma, podendo este ser trauma convencional, como uma perfuração ocular, ou trauma causado por cirurgia com necessidade de grande manipulação intraocular.

Tratamento e procedimentos cirúrgicos
Inicialmente, a aplicação de colírios e pomadas pode aliviar os sintomas, porém essas terapias tem eficácia limitada, e não são úteis em casos avançados.

O transplante endotelial (Transplante de células) é uma mudança revolucionária no tratamento dos distúrbios endoteliais. O objetivo principal da nova técnica é evitar a remoção total da córnea, trocando apenas a parte interna que está comprometida.

Vantagens e resultado
Essa cirurgia é realizada sob sedação leve e anestesia local. Apresenta como vantagens o baixo índice de rejeição e rápida recuperação visual, diferente do transplante convencional que tem maior risco de rejeição e recuperação visual lenta.

Deseja receber nossas newsletter?