Tratamentos e Cirurgias que vão muito além da visão.

Conheça as dúvidas mais frequentes sobre os procedimentos realizados pelo Dr. Vinicius Pereira.

Provavelmente sim, pois à medida que a expectativa de vida da população aumenta a probabilidade de desenvolver catarata é maior.
Não. Entretanto, meses ou anos após a cirurgia pode ocorrer uma opacificação da cápsula posterior, localizada atrás da lente intraocular, sendo tratado com aplicação do yag laser na clínica, não necessitando internamento.
O pós operatório da cirurgia de catarata é bem tranquilo. Não fica internado, não precisa fazer dieta especial, não precisa evitar ler ou assistir jornal. Só terá que usar colírios prescritos de forma correta e evitar coçar os olhos.
Isso é coisa do passado. Graças aos avanços da medicina, que tornaram o procedimento muito mais seguro aos pacientes, a cirurgia de catarata é indicada sempre que a doença interferir nas atividades diárias de qualquer pessoa.
Provavelmente sim, pois à medida que a expectativa de vida da população aumenta a probabilidade de desenvolver catarata é maior.
Suas causas englobam diversos fatores, estando associada à nutrição, diabetes, infecções, traumatismos, envelhecimento entre outros.
A única forma de se tratar a catarata é através da cirurgia. A cirurgia é realizada com anestesia local com acompanhamento do anestesista, que controla os sinais vitais do paciente.
Catarata é a opacificação do cristalino, que é a lente natural existente no globo ocular, responsável pela focalização da visão para longe e para perto. Com a idade, geralmente dos 40 anos, pode ocorrer um processo de opacificação dessa lente (o cristalino) que leva a diminuição progressiva da visão. A rapidez dessa evolução varia de pessoa para pessoa e até mesmo de um olho para o outro.
São as cataratas que aparecem ao nascimento e são causadas devido a problemas durante a gestação, como infecções intra-uterinas (rubéola, sarampo, sífilis) ou genéticas (transmitida de pais para filhos). Muitas vezes as cataratas congênitas não são descobertas logo ao nascimento, a não ser que seja realizado um exame ocular precoce. A cirurgia nestes casos deve ser realizada o quanto antes, a fim de permitir recuperação da função visual.
Nem todas as cataratas prejudicam a visão ou afetam a vida diária. Para aquelas que o fazem, os sintomas comuns incluem: Visão nublada, confusa ou nebulosa Visão com brilho de lâmpadas ou do sol Dificuldade de dirigir à noite devido ao brilho dos faróis Mudanças frequentes na prescrição de óculos Visão dupla Melhoria da visão de perto que, em seguida, fica pior Dificuldade em fazer as atividades diárias por causa de problemas de visão.
Nesses casos é comum o aparecimento da catarata em ambos os olhos, porém normalmente em estágios diferentes de evolução. O tratamento é eminentemente cirúrgico, porém a época de sua realização dependerá da acuidade visual, bem como da avaliação do oftalmologista.
O trauma contínuo representa o maior fator de risco para piora da doença. Com isso, deve ser proibido coçar os olhos. O tratamento de alergias e a otimização da superfície ocular (tratamento do olho seco) devem ser feitos em conjunto.
Absolutamente. A cirurgia refrativa é uma opção para correção visual aos óculos em lentes de contato. Casos de ceratocone devem ser operados quando á real necessidade. Entretanto, a foto-ablação de superfície terapêutica personalizada com excimer laser e o implante de lentes intraoculares podem ter indicações específicas em casos de ceratocone.
O transplante de córnea é o mais bem sucedido entre os transplantes de órgãos sólidos na Medicina. O ceratocone está entre as indicações de transplante de córnea com melhor prognóstico. Entretanto, é uma "vida nova" para o paciente e deve ser considerado como última opção!
Infelizmente não! Apesar de representarem a forma mais eficaz de melhorara visão do paciente, não existem evidências científicas que o uso de lentes de contato estabilize a córnea e diminua a chance de progressão da ectasia. Por outro lado, a má adaptação pode estar, em decorrência do trauma na superfície, relacionada com a progressão da doença.
Existe um componente genético que é, cada vez mais, bem elucidado. Apesar da comprovada associação com hereditariedade (transmissão familiar), casos isolados podem ocorrer. Adicionalmente, mesmo em famílias com alta prevalência da doença, nem todos vão ter ceratocone.
Ceratocone é uma condição em que ocorre um afinamento progressivo da córnea acompanhado de aumento da sua curvatura. A área central da córnea, paracentral ou ambas, ficam mais finas, e a pressão interna do olho atuando sobre esta área de menor resistência faz com que ela fique excessivamente curva, adquirindo a forma de cone. O ceratocone geralmente surge na adolescência, podendo manter-se estável ou progredir, o que pode ser detectado pela avaliação da córnea por meio de exames especializados. Entre 10 a 15% dos casos de ceratocone continuam a progredir após os 30 anos de idade. Com a progressão da doença, a córnea torna-se irregular e cicatrizes podem ocorrer, com prejuízo para a visão. O ceratocone pode comprometer severamente a visão mas raramente leva a cegueira.
Ceratocone é uma das maiores causas de transplante de córnea, mas menos que 10% dos ceratocones evoluem para transplante, que é a última opção.
É importante o paciente saber que todo procedimento cirúrgico tem riscos. Porém, no caso da cirurgia a laser, o grau de risco é extremamente baixo. O equipamento de laser tem recursos tecnológicos que o tornam um dos mais seguros e precisos da atualidade.
A vista cansada ou presbiopia é a perda natural e progressiva da capacidade do olho em focalizar objetos. A vista cansada acontece normalmente a partir dos 40 anos, porque com o passar do tempo, o cristalino (a lente interna do olho) perde a flexibilidade necessária para o ajuste do foco. Desta maneira, pessoas que nunca usaram óculos passam a necessitá-los para leitura e pessoas que já os utilizavam, muitas vezes, necessitam de óculos multifocais. As únicas pessoas que não precisam de óculos de leitura após os 45 anos são os míopes, poís estes têm o foco da visão naturalmente para perto.
O astigmatismo distorce e torna nublada a visão a qualquer distância. Grande número de casos de astigmatismo são congênitos (se nasce com ele) e permanecem sem se modificar durante a vida. Astigmatismos pequenos são comuns e podem aparecer em qualquer período da vida, não sendo necessário usar óculos ou lentes de contato, a menos que tragam sintomas. Os óculos para astigmatismo podem, em alguns casos, distorcer a imagem periférica e trazer sintomas de adaptação dos óculos (tontura, enjoo, sensação de estar andando numa ladeira). Existem lentes e cirurgia a laser que melhoram a visão da pessoa com astigmatismo.
A diferença de tamanho do globo ocular torna difícil a focalização de objetos próximos de forma clara, na retina. A hipermetropia é bastante comum em crianças e, com o crescimento dos olhos, pode desaparecer. A hipermetropia é corrigida com óculos de grau, lente de contato ou, em determinados casos, com cirurgia a laser.
Miopia é uma condição na qual o olho é incapaz de enxergar à distância com clareza. Isso é devido ao formato do olho míope, em que a imagem se forma antes da retina. É normalmente tratada com óculos de grau, lentes de contato ou cirurgia a laser. As lentes corretivas não curam ou revertem a miopia, mas sim, compensam o erro de refração, fazendo com que a imagem foque sobre a retina.
A cirurgia refrativa proporciona para o paciente: Mais conforto; Não há necessidade de tampão ou curativo; Não há necessidade de pontos; Anestesia com colírio; Não há necessidade de internação; A duração média da cirurgia é de 15 minutos, mas a aplicação do laser é somente alguns segundos, de acordo com o grau a ser tratado; A pessoa poderá trabalhar no dia seguinte à cirurgia, dependendo das condições do ambiente de trabalho (sem poluição) e se sentir apta às atividades. Há casos em que óculos ou lentes de contato continuam sendo o melhor recurso. Em torno de 5% dos casos pode haver grau residual, que necessita nova aplicação de laser.
Sim, é possível voltar às atividades de trabalho e do cotidiano já no dia seguinte, desde que o ambiente não seja poluído ou contenha partículas em suspensão no ar. É importante saber que pode haver certa dificuldade visual com o olho operado.
Com a cirurgia a laser pode-se operar miopias de 0,75 até 12 graus. Existem outras técnicas que poderão ser aplicadas em graus maiores.
Se o intervalo entre a cirurgia de um olho e outro for grande, é necessária a troca da lente dos óculos de grau por uma lente sem grau para o olho que estiver operado ou utilizar lentes de contato provisoriamente no olho não operado. O uso de óculos escuros de boa procedência, proporciona maior conforto no pós-operatório.
Sim. Tanto o astigmatismo puro quanto o combinado com a miopia, dependendo do grau, traz bons resultados. Porém, o médico fará a avaliação precisa considerando o grau, a espessura e outras medidas da córnea.
É o procedimento que tem como objetivo corrigir erros refrativos (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia) para reduzir ou eliminar a necessidade do uso de óculos e lentes de contato. A cirurgia pode ser feita pela aplicação de diferentes técnicas cirúrgicas. As mais utilizadas são o LASIK e o PRK.
Com o equipamento de laser de última geração, é possível operar até 6,0 graus, principalmente se estiver associado a astigmatismo negativo. Em graus antes impossíveis de operar como +6,00 – 4,00 x 180°, hoje temos excelentes resultados. No entanto, tudo depende de outros exames pré-operatórios.
As lentes intra-oculares (LIO) são implantadas com o objetivo de substituir o cristalino humano que estava opaco em decorrência da catarata. As lentes atuais permitem a correção de outros problemas oculares além da catarata, como a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e mais recentemente a presbiopia ou vista cansada, promovendo a independência definitiva dos óculos para a maioria dos pacientes.
O implante dessas lentes permite que o paciente volte a executar as suas atividades cotidianas normalmente, como ler livros, dirigir e praticar esportes. Muitas lentes, ainda, vêm com proteção contra raios UV, o que permite uma proteção extra contra os efeitos nocivos dessa radiação tão temida. Portanto, se você sentir que sua visão está se tornando turva e perceber o embranquecimento do seu cristalino, não fique com medo. É provavelmente uma condição reversível, que pode ser solucionada rapidamente de maneira muito eficiente. Caso surja qualquer sinal ou você perceba algum sintoma que esteja afetando a sua visão, procure um oftalmologista para que ele possa indicar a melhor solução para seu problema.
Serão necessários alguns exames que ajudam a identificar e diagnosticar qual o melhor tipo de lente intra-ocular para a sua cirurgia de catarata. Dentre eles estão: Topografia ou Tomografia de Córnea; Retinografia ou Mapeamento de Retina; Ultrassonografia ocular; Ecobiometria Ocular ou IOL Master; Microscopia Especular de Córnea; Acuidade Visual a Laser (PAM).

Ainda tem dúvidas?

Envie suas perguntas para o
Dr. Vinicius Pereira

Solicite uma ligação

Assim que recebermos
seu contato, ligaremos
para você